AutomobilismoStock Car

Embalada, Shell Racing chega a Londrina em busca da terceira vitória na Stock Car em 2017

Após vencer com Átila Abreu no Velo Città, equipe encara desafio num dos circuitos mais difíceis e travados do ano; classificação promete ser decisiva

Em terceiro lugar no campeonato de equipes e depois de vencer uma das provas na última rodada dupla, a Shell Racing encara no próximo fim de semana uma das pistas mais difíceis para as equipes da Stock Car, em Londrina.

Os 3.146 metros do traçado paranaense são formados por duas retas e ainda curvas de média e baixa velocidade, com destaque para o “S” de entrada da reta oposta, que termina num curvão à esquerda.

Mesmo com o push to pass, as ultrapassagens em Londrina são muito difíceis. Portanto, uma boa posição de largada na primeira corrida é fundamental, o que aumenta ainda mais a importância do treino classificatório de sábado.

Vencedor da última prova no Velo Città e terceiro na tabela, Átila Abreu tem como objetivo para o fim de semana continuar reduzindo a diferença em relação ao líder, hoje em 42 pontos – faltando ainda nove corridas para o fim do campeonato, a última com pontuação dobrada.

No ano passado, Átila foi um dos destaques da segunda corrida em Londrina e terminou numa ótima segunda colocação após ter largado em 14º.

Já Ricardo Zonta, que a exemplo de Átila tem uma vitória na temporada 2017 (Goiânia), tem a terceira corrida no seu estado, o Paraná, e tenta voltar ao top10 da classificação geral. Em 2016, Zonta também teve ótima atuação na segunda prova de Londrina e foi o quinto depois de sair em 27º.

Neste fim de semana, tanto Zonta como Átila concorrem ao Hero Push, um acionamento extra do botão de ultrapassagem na segunda corrida por intermédio de votação no site da Stock Car. Numa pista estreita e com poucos pontos de ultrapassagem, o Push pode ser importantíssimo. Os dois pilotos já conquistaram o apoio extra dos fãs em 2017: Átila em Curitiba, Zonta em Curvelo.

A programação prevê dois treinos livres, um na sexta e outro no sábado, dia em que será disputada a classificação da primeira corrida, às 13h, com transmissão ao vivo do SporTV2. No domingo, serão realizadas duas baterias, a primeira com largada às 13h e exibição ao vivo do SporTV3.


Programação:

Sexta-feira, 8 de setembro
11h às 11h10 – Shake down (Grupo 1)
11h15 às 11h25 – Shake down (Grupo 2)
12h55 às 13h55 – 1º Treino livre (Grupo 1)
14h às 15h – 1º Treino livre (Grupo 2)

Sábado, 9 de setembro
9h10 às 9h50 – 2º Treino livre (Grupo 1)
9h55 às 10h35 – 2º Treino livre (Grupo 2)
13h às 14h – Classificação

Domingo, 10 de setembro
13h – Largada da Corrida 1
14h10 – Largada da Corrida 2

 

Campeonato de Pilotos:

1º D.Serra – 209 pontos
2º T.Camilo – 192
3º Á.Abreu – 167
4º F.Fraga – 153
5º M.Wilson – 147

Campeonato de Equipes:

1º RC – 340 pontos
2º CRT – 254
3º Shell Racing – 249
4º A.Mattheis – 245
5º RCM – 214


O que eles disseram:

“Londrina é uma pista que exige bastante fisicamente e do carro, com subidas e descidas, várias curvas em que é preciso pular na zebra. É uma pista estreita, que dificulta as ultrapassagens, principalmente na reta dos boxes, que o fim dela já começa a fazer uma curva, o que dificulta alguma manobra mesmo com o botão de ultrapassagem. Meus resultados sempre foram positivos em Londrina, é claro que quando se larga muito atrás é mais complicado. A largada, feita na reta oposta, é muito difícil porque as primeiras três curvas são para a esquerda, então quem fica do lado de fora acaba perdendo bastante e sempre há batidas na entrada no box, a última dessas três curvas para a esquerda. O carro precisa de muita tração para ganhar velocidade na reta. Espero que o público venha bastante na corrida, pois é feriado, e é a última etapa no Paraná, e aproveito para pedir meu foto aos fãs para o Fan Push!”

Ricardo Zonta, piloto do carro #10
“Londrina é uma pista bem técnica, de difíceis ultrapassagens, e a tomada de tempo é muito importante. O botão de ultrapassagem pode ajudar a ganhar ou defender uma posição, ou até aumentar a vantagem sobre algum adversário, então é muito importante conseguir os votos do Fan Push, do pessoal que está torcendo por nós. Precisamos de um carro muito bom para a classificação, como no Velo Città, e a pista até se parece com a de lá, é mais de baixa velocidade, com uma reta não tão grande. Nosso grande desafio em termos de acerto é saber se a base que usamos no Velo Città, que é diferente do restante do ano, vai servir nessa e em outras pistas. No Velo Città consertamos a questão da classificação e precisamos de um carro mais constante para largar mais vezes no pelotão da frente. Vai ser um fim de semana decisivo para as nossas chances de brigar pelo título, vamos trabalhar bastante para estar no pódio. No ano passado conseguimos um dos nossos melhores resultados em Londrina, é uma pista com a qual me identifico bastante. A cidade em si me dá ótimas lembranças pois conquistei o meu primeiro título brasileiro de kart. O kartódromo fica encostado ao autódromo e vou até mesmo dar uma passadinha lá para relembrar, tenho muito apreço pela cidade”

Átila Abreu, piloto do carro #51
“É uma pista muito difícil para os pilotos, com muitas curvas, subidas, freadas, viradas em fins de retas. Um dos traçados mais difíceis do ano, senão o mais difícil, o que é um atrativo a mais. A classificação é muito importante, pois as ultrapassagens são muito difíceis, a estratégia depende de onde se está largando, então por enquanto não dá para definir nada, é fundamental largar na frente”

Thiago Meneghel, chefe da Shell Racing

 

 

 

Fonte: Luis Ferrari

Foto: Victor Eleutério

Etiquetas

Alex De Peder

Apaixonado pelo Automobilismo, essa paixao me fez criar um site para todos terem a mesma informação que sempre gostei de receber. 'Tudo posso naquele que me fortalece'

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar
X